sábado, 20 de fevereiro de 2010

Chamusca, Olivença, Abrantes.... uma maratona.

O tão ansiado, procurado, desejado, pretendido, ambicionado, apetecido, cobiçado abono para as corridas de toiros de Olivença já cá mora. Não foi fácil, também não foi difícil, adquiri-los. Na quinta-feira, quando me propus a ir buscá-los, eis que, pouco antes de Pavia, o meu Skoda empanou e, logicamente, tive de voltar para trás, rebocado.

Felizmente há Amigos, ainda bem que os há, que se disponibilizam para ajudar ou acudir. Foi o caso do João Chora que, ao saber da minha inquietação e adversidade, de imediato me sossegou dizendo-me que não se importava de me levar logo após finalizar o seu labor profissional.

Às 15:43h de sexta-feira,partimos rumo a Olivença onde chegámos por volta das 17:30h. video

Adquiridos os bilhetes, e combinados que estávamos para ir ver o espectáculo de Ana Moura a Abrantes, rumámos até Cabeço de Vide onde aí, sabendo da existência de um café, "O Antiquário",único no País, no género, direi, ali petiscámos.

A D. Vicência, que é uma simpatia de senhora, prontamente se dispôs a preparar uma cacholeira, uma farinheira e uma omeleta assim como uma saladinha de agriões. Um tintinho a acompanhar e a breve presença de Jorge Matos Silva, um amigo da velha guarda.

Eis-nos chegados, quase em cima da hora, para o espectáculo de Ana Moura no Cineteatro de Abrantes. Durante hora e meia, Ana Moura cantou e encantou-nos com alguns fados do seu imenso repertório, baseando-se no seu último trabalho discográfico “Leva-me aos Fados”.

Após o espectáculo terminámos a noite, bem acompanhados, no Bar “O Alcaide”, que eu recomendo vivamente, junto ao Castelo de Abrantes, de onde se obtém uma vista fantástica.

3 comentários:

  1. é maravilhoso,quando vimos que temos amigos assim,como o joáo chora!!!
    e olhe que eu na farinheira até vos dava uma ajuda!!!adoro farinheira assada!!lol,lol,...
    bom resto de fin de semana...

    ResponderEliminar
  2. Se eu tivesse sabido, também ia em auxílio do amigo...
    Entretanto, vendo o filme, pareceu-me que o condutor João Chora bastas vezes ultrapassou a velocidade máxima permitida...
    Para além de "cortar" as curvas...
    Cuidado!...

    ResponderEliminar
  3. O Chora é uma máquina a conduzir, um espectáculo mesmo. Além disso tem sempre boas viaturas e é bastante cuidadoso. O andar depressa (velocidade excessiva) é só para quem o pode e sabe fazer. Cortar curvas... quem não o faz?

    ResponderEliminar