sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

JANTAR DE FINAL DE ÉPOCA DO GRUPO DE FORCADOS AMADORES DA CHAMUSCA

No passado dia dez de Dezembro, realizou-se na Quinta da Ponte da Pedra, no Entrocamento, a Festa de final de temporada do Grupo de Forcados Amadores da Chamusca.
Como habitualmente o jantar registou um bom numero de presenças, cerca de 130 convivas, onde, para além do excelente e reconhecido serviço de mesa e gastronómico, do lançamento da Revista anual do Grupo, também se homenageou Leonor Nalha pela sua dedicação ao Grupo e se ouviu fado nas vozes de João Chora, Maria Manuel Martins, João Carrinho e Teresa Azoia, com acompanhamento de Bruno Mira á guitarra e João Chora á viola.
Distribuiram-se os habituais prémios aos elementos que mais se destacaram, os naturais discursos e, para remate de festa, o som contagiante de "Los Tres Sangres" fez perdurar a festa até ás tantas. Curioso, ou talvez não, foi a presença do simpático casal Bruno e Sónia que, vindos de Torres Vedras, fizeram questão de compartilhar mesa connosco .
Emotivo, quão arrepiante, foi o discurso do Bruno que poderão ler no meio do post.

















video
video

domingo, 25 de dezembro de 2011

NATAL 2011


Natal de quê? De quem?
Daqueles que o não têm?
Dos que não são cristãos?
Ou de quem traz às costas
as cinzas de milhões?
Natal de paz agora
nesta terra de sangue?
Natal de liberdade
num mundo de oprimidos?
Natal de uma justiça
roubada sempre a todos?
Natal de ser-se igual
em ser-se concebido,
em de um ventre nascer-se,
em por amor sofrer-se,
em de morte morrer-se,
e de ser-se esquecido?

Jorge de Sena 1971

Acenda-se de novo o Presépio do Mundo!
Acenda-se Jesus nos olhos dos meninos!
Como quem na corrida entrega o testemunho,
passo agora o Natal para as mãos dos meus filhos.

E a corrida que siga, o facho não se apague!
Eu aperto no peito uma rosa de cinza.
Dai-me o brando calor da vossa ingenuidade,
para sentir no peito a rosa reflorida!

Filhos, as vossas mãos. E a solidão estremece,
como a casca do ovo ao latejar-lhe vida...
Mas a noite infinita enfrenta a vida breve:
dentro de mim não sei qual é que se eterniza.

Extinga-se o rumor, dissipem-se os fantasmas!
Ó calor destas mãos nos meus dedos tão frios!
Acende-se de novo o Presépio nas almas.
Acende-se Jesus nos olhos dos meus filhos.

David Mourão-Ferreira

domingo, 18 de dezembro de 2011

PACO CANO, 99 ANOS. PARABÉNS MAESTRO.


Paco Cano, Canito, sigue con la cámara colgada del cuello. Con casi un siglo de vida tiene vista, pulso, ganas de seguir trabajando y el talento de ver la vida a través de la cámara. Formó parte de esas fiestas que no querían perderse las estrellas de Hollywood y ha sido testigo de siete décadas de historia. Ha retratado a personalidades, políticos a las estrellas más rutilantes del celuloide y ha sido testigo de siete décadas de historia de la tauromaquia a través de su objetivo.


Francisco Cano Lorenza nace en Liverpool, en el barrio de Anfield, el 18 de diciembre de 1912. Su padre fue novillero y en el pequeño negoció que regentaba, Canito dio sus primeros pases a una res, que se había escapado del matadero.

A los 17 años, Cano prueba fortuna como boxeador, dentro del peso mosca. Y más tarde debuta como sobresaliente junto a las novilleras Hermanas Palmeño. Interviene en algún festejo en Orihuela, en Alicante donde sufre su primera cornada.


Durante la guerra vive en Madrid, en su casa su amigo Gonzalo Guerra Banderas, que le introduce en el mundo de la fotografía. Es ayudante de laboratorio en una fábrica de cosméticos y sigue intentando ser torero.

Utiliza primero una máquina Brownie; luego, una Leica, a la que acopla un tubo, a modo de objetivo. No pocos se burlan de este "torero-fotógrafo". Pero él tiene la ventaja de que conoce las dos técnicas.



A los 30 años, Cano decide colgar el traje de luces y vivir de la fotografía. Poco a poco, le van encargando reportajes los maestros: Domingo Ortega, Pepe Luis Vázquez, Luis Miguel Dominguín y en Alicante, consigue las mejores fotografías de un percance que sufre Manolete.

Más adelante, colaborará con publicaciones como ABC, Marca, El Ruedo, Aplausos, pero ha sido básicamente un freelance. "A mí me gustaba la independencia, la libertad", afirma el fotógrafo.

En Linares, acompañando a Luis Miguel Dominguín, obtiene el mayor éxito profesional de su carrera: es el único reportero gráfico que retrató la tarde trágica de la cogida y la muerte de Manolete. Las imágenes que tomó Cano dieron la vuelta al mundo.

DUAS VOZES QUE SE CALAM, SEM DEIXARMOS DE AS OUVIR. CESÁRIA ÉVORA E SÉRGIO BORGES.

Ontem, sábado 17, e hoje, Domingo 18, fui surpreendido pelo desaparecimento do nosso convivio de duas vozes que fizeram história na Musica Portuguesa.

CESÁRIA ÉVORA







A primeira, embora Caboverdiana, nasceu há 70 anos na cidade do Mindelo, na altura sob a égide do Império Português.
A cantora, que nasceu em 1941, começou muito jovem a cantar em bares e hotéis, mas só em 1988, com 47 anos, gravou, em Paris, o aclamado álbum “La diva aux pied nus” – “a diva dos pés descalços ”, epíteto com que é frequentemente referida na imprensa.

Poucos anos antes, gravara já um álbum em Lisboa, mas o trabalho acabou por passar despercebido. Numa entrevista ao PÚBLICO, em 1999, Cesária mostrava algum ressentimento por isso. "[Portugal é] um grande país, tenho muitos fãs aqui, mas eu devia ter sido reconhecida aqui primeiro. Eu até ia cantar nos navios de guerra, desde o tempo colonial", disse. "Quem me ajudou foram os franceses, nem os portugueses, nem os cabo-verdianos".

Nos anos que se seguiram a “La diva aux pied nus”, Cesária Évora tornou-se numa estrela no panorama mundial da world music. Em 2009, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, atribuiu-lhe a medalha da Legião de Honra.

Foi “uma das vozes mais expressivas e originais da música mundial”, classificou esta tarde o secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, numa nota de condolências. “A qualidade da sua voz era de alcance universal, e o reconhecimento internacional que obteve comprovou isso mesmo”. Um comunicado do Presidente da República, Cavaco Silva, descreve-a como uma “artista singular, que tão bem soube exprimir a cultura e a tradição musical da sua terra, muito para além das fronteiras da língua portuguesa".

Cesária Évora morreu às 11h20, no Hospital Baptista de Sousa, na ilha de São Vicente, na sequência de complicações cardíaco-respiratórias. Em 2008, sofrera um acidente vascular-cerebral (AVC), que a afastou temporariamente dos palcos. Regressou pouco depois, com um ritmo menor de concertos. "Canto mais um tempo e depois stop!".



SÉRGIO BORGES


Sérgio Borges e o Conjunto Académico João Paulo começaram no Funchal, nos primeiros anos da década de 60. Nessa época destacaram-se no panorama nacional com Os Sheiks, Os Conchas, Chinchilas, Duo Ouro Negro, Quarteto 1111 e Demónios Negros, entre outros grupos musicais.

Em 1964 deslocaram-se ao Continente, obtendo grande sucesso no Teatro Monumental e no programa TV Clube. Nesse ano, é editado o primeiro disco do grupo, um EP (formato mais vulgar na época, com três ou quatro canções) com os temas "La Mamma", "Hello Dolly", "Eu Tão Só" e "Ma Vie". No ano de estreia nacional, venceram o Prémio de Imprensa Especial.

Com "Onde Vais Rio Que Eu Canto", da autoria de Nóbrega e Sousa e Joaquim Pedro Gonçalves, Sérgio Borges venceu o VII Grande Prémio da Canção em 1970, ano em que Portugal não participou no Festival da Eurovisão em protesto contra o sistema de votação vigente.

Em 1966, Sérgio Borges ficou em segundo lugar no Festival RTP da Canção, com "Eu Nunca Direi Adeus", tema editado em disco do Conjunto João Paulo que inclui uma versão de "Ele e Ela" de Madalena Iglésias, vencedora desse festival e também, ex-aequo com Sérgio Borges, do Prémio da Imprensa desse ano.


Com vários sucessos na carreira, o grupo madeirense, depois de uma pausa, passa a denominar-se Sérgio Borges & Conjunto João Paulo. O último disco do grupo é editado em 1972. Durante vários anos, este cantor actuou no Casino da Madeira, tendo lançado em 2004 o CD "40 Anos a Cantar", um colectânea dos seus êxitos, como "Hully Gully do Montanhês","Milena (a da Praia)”, "Se Mi Vuoi Lasciare”, "Chove”e “Balada de Uma Rapariga Triste".

Em 1993 a Valentim de Carvalho editou algum do espólio do grupo, num CD intitulado “Os Grandes Êxitos do Conjunto Académico João Paulo”. Em 2008, foi lançado um CD duplo que reúne um total de 42 canções gravadas no período compreendido entre os anos de 1964 e 1968. Um terceiro CD juntará o material registado a partir de 1970 até 1972 onde participou a cantora sul-africana Vickie.

Foram fundadores do grupo, além do vocalista Sérgio Borges, João Paulo Agrela (teclas), falecido em 2007, Carlos Alberto Gomes (guitarra), Rui Brazão (guitarra), Ângelo Moura (baixo) e José Gualberto (bateria), falecido em 2004.


No Portugal dos anos 60 surgiram muitos Conjuntos Académicos: Conjunto Académico Os Espaciais, Conjunto Académico Orfeu, etc.
Um dos mais famosos foi o Conjunto Académico João Paulo, assim chamado no início da sua carreira. Lá mais para o final da sua existência já só era Conjunto João Paulo, tendo retirado o “Académico” do seu nome.
O Conjunto Académico João Paulo formou-se na Madeira, tendo como membros João Paulo (falecido em 2007), Sérgio Borges, Carlos Alberto, Rui Brazão, Ângelo Moura e José Gualberto (falecido em 2004). Sérgio Borges era o vocalista.


António Ascensão (mimo-imitações) fez parte da primeira formação, chegando a gravar o 1º disco. Bruno Brasão, contrabaixo, também fez parte da primeira formação, mas não chegou a gravar.
Por serem um grupo de jovens estudantes e pela alegria das suas canções, como “Hully Gully do Montanhês” ou “Milena (A da Praia)”, tornaram-se famosos não só na Madeira, mas, também, no Continente.
Foram contratados pelo empresário Vasco Morgado para realizarem espectáculos no Teatro Monumental.


Ainda fora da época daquilo que ficaria conhecido como o “yé yé”, este conjunto começou por gravar versões de grandes êxitos da canção francesa e italiana, na época muito conhecidos.
Entre outros, o Conjunto Académico João Paulo, gravou versões de Adamo, Gilbert Bécaud ou Charles Aznavour, um pouco antes da verdadeira explosão do Rock português por nomes como os Sheiks ou os Ekos.
O Conjunto Académico João Paulo passou, várias vezes, em programas da RTP, por ser uma banda que não punha quase nada em causa, sendo mais para puro entretenimento.


Em 1966 o Conjunto concorre ao Festival RTP da Canção com o tema “Nunca Direi Adeus”.
Sérgio Borges concorreu, também ao Festival RTP com o tema “Onde Vais Rio Que Eu Canto”, em 1970. Este foi o ano em que a RTP resolveu não participar no Festival Eurovisão da Canção.
O Conjunto Académico João Paulo gravou também com a cantora sul-africana Vickie um single, que teve edição comercial.
Após Sérgio Borges ter ganho o Festival da RTP, os EP’s do grupo passaram a ser em nome de Sérgio Borges e o Conjunto João Paulo, como no EP “Nascer”.


Apesar de não terem ganho o Festival RTP da Canção editaram um EP com o título “Eurovisão” (em 1966).
Foram inúmeros os EP’s que o Conjunto Académico gravou, tais como “Conjunto João Paulo” (1965), “De Novo com João Paulo e o Seu Conjunto Académico (1966), “Poema de Um Homem Só” (1968), “Kilimandjaro” (1968) ou “O Louco” (1968).
A parte final da carreira desta banda é, musicalmente, mais interessante, notando-se uma aproximação a estéticas musicais mais avançadas. Até a capa do EP “O Louco” já está mais próxima de uma estética psicadélica e mais longe da música de cópia do início da carreira.


Em 1993 a Valentim de Carvalho editou algum do espólio do grupo num CD intitulado “Os Grandes Êxitos do Conjunto Académico João Paulo”. Mais tarde, a mesma editora lançaria uma nova colectânea do grupo intitulada “Antologia da Música Popular Portuguesa” (1990).
No entanto, muitos temas gravados em EP, na sua fase mais criativa, não conheceram nunca edição em formato digital

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

HÁ 57 ANOS

Apenas uma palavra:

SAUDADES


1º de DEZEMBRO DE OUTROS TEMPOS E A RAZÃO PELA QUAL.....

Já lá vão uns bons 45 anos. No dia de hoje, logo pela manhãzinha, sete ou sete e meia da manhã, um grupo de Amigos músicos tocava o hino da Restauração á esquina da taverna do António Cruz, praticamente defronte da minha casa. Naturalmente acordava com aquele som e assim me fui habituando durante alguns anos mais a acordar cedissimo no 1º De Dezembro. Recordo com muita saudade e nostalgia o Mestre Julião Marques, Manuel Samora, João Rosa, Joaquim Raimundo Simões (Cochicho), José Maria Estevens "Major"....


Querem os governantes deste País retirar o 1º de Dezembro do calendário de feriados sem terem a noção que, graças aos Conjurados, neste dia Portugal voltou a ser um País independente e soberano após 60 anos de dominio espanhol.
Que tristeza....


quarta-feira, 30 de novembro de 2011

FALECEU EM SEVILHA DIEGO "VALOR" PUERTA







DIEGO PUERTA DIÁNEZ

Sevilla (Cerro del Águila, bautizado en San Bernardo) el 28 de mayo de 1941

Debut en público: 16 de septiembre de 1955 en Aracena (Huelva), alternando con Reañito y Jarrillo

Debut con picadores: el 7 de octubre de 1956, en el coso de Vistalegre (Carabanchel-Madrid), con Antonio Rúa y Antonio Matesanz, 5 novillos de Bernaldo Quirós y 1 de Santiago Pelayo.

Presentación en la Real Maestranza de Sevilla: 1957

Presentación en Las Ventas: 29 de mayo de 1958, con Emilio Redondo y Miguelín, novillos de Sánchez Fabrés (1 oreja).

Temporada 1958: 56 novilladas

Alternativa: Real Maestranza de Sevilla el 29 de septiembre de 1958. Padrino: Luis Miguel Dominguín. Testigo: Gregorio Sánchez. Toro "Zambombero", de Arellano.

Temporada 1960: 70 corridas. Éxito en la Feria de Abril de Sevilla al realizarle una gran faena a Escobero, de Miura: le llevaron las dos orejas a la enfermería.

Confirmación en Las Ventas: 20 de mayo de 1960. Padrino: Manolo González. Testigo: Antonio Borrero, Chamaco. Toro: "Malagueño", de Bernabé Fernández (vuelta al ruedo y dos orejas)

Temporada 1962: 79 festejos, cabeza de escalafón, que comparte con Jaime Ostos

Temporada 1963: 61 corridas. El 21 de abril sufre gravísima cogida en Barcelona por un toro de Alipio Pérez Tabernero, alternando con Paco Camino y Santiago Martín el Viti. Premio RNE al mejor y más completo torero.

Temporada 1968: corta un rabo el 26 de abril en Sevilla a un toro del marqués de Domecq, una de sus mejores faenas.

Temporada 1970: 68 corridas. Galardonado con el premio "Popular de Pueblo", otorgado por el vespertino madrileño Pueblo.

Temporada 1971: 59 festejos

Temporada 1972: 46 corridas. Gravemente cogido en Jerez de la Frontera y en Zaragoza

Temporada 1974: 42 corridas. Gran faena en la Real Maestranza de Sevilla, lidiando al toro "Abrileño", de la ganadería de Torrestrella (Premio de la Feria). Resulta cogido el 9 de octubre en Zaragoza, acompañado de Francisco Rivera Paquirri y Francisco Alcalde. A los 3 días, en la corrida de la Hispanidad de la Real Maestranza de Sevilla se retira definitivamente de los ruedos. Lidió reses de Urquijo, en un mano a mano con Paco Camino. Al último toro le cortó 1 oreja.

Diego Puerta Diánez es figura en la historia taurina como sinónimo de valor sin límites. Nada menos que cincuenta y cinco cornadas contornearon, a lo largo de su intensa carrera, su pequeño y valeroso cuerpo. Pocos toreros han sido tan castigados por las reses sin que ello influyera jamás en merma de su ánimo y disposición, lo que justifica el cariño que siempre tuvo de los aficionados.

Tal fue su arrojo y determinación por triunfar todas las tardes, que la crítica de la época le rebautizó con el sobrenombre de Diego Valor. Pero aunque su aplomo y firmeza fueron constantes en su tauromaquia y ambas las utilizó como medio para conseguir el fin del éxito, Puerta llegó a torear con gracia, adornarse con garbo y dominar a los toros con poderío y técnica, lo que le permitió rivalizar con toreros de la talla de El Viti o Paco Camino con los que trenzó el paseíllo en numerosas ocasiones.

Natural de Sevilla, vio la luz en el popular barrio de San Bernardo, el 28 de mayo de 1941. Vistió por primera vez de luces el 16 de septiembre de 1955 en Aracena, alternando con Reañito y Jarrillo. Debutó con picadores el 7 de octubre de 1956 en el madrileño coso de Vistalegre con Antonio Rúa y Antonio Matesanz con ganado de Bernaldo de Quirós y dos años después, el 29 de mayo de 1958 se presentó en Las Ventas, estoqueando reses de Sánchez Fabrés junto a Emilio Redondo y Miguelín, cortando una oreja de cada uno de sus novillos.

Tras una temporada de éxito tomó la alternativa en Sevilla el 29 de septiembre de ese mismo año, de manos de Luis Miguel Dominguín quien le cedió en presencia de Gregorio Sánchez al toro “Zambombero”, número 296, de pelo negro y de la ganadería de Arellano. En 1960 ya está situado en un lugar destacado de la torería, sobre todo después de la memorable faena realizada al toro Escobero de Miura en la Real Maestranza de Sevilla al que cortó las dos orejas en plena Feria de Abril.

Confirmó en Madrid consiguiendo un importante triunfo el 20 de mayo de esa temporada. Fue ovacionado tras la muerte del toro de la ceremonia “Malagueño”, número 8, de 506 kilos, de la ganadería de Bernabé Fernández Cobaleda, que le cedió Manolo González en presencia de Antonio Borrero “Chamaco”. Pero su mejor actuación la tuvo con el astado que cerró plaza “Volantito”, de nombre, al que cortó las dos orejas.

Ocho Puertas Grandes en Las Ventas
Fue ésta la primera de las ocho ocasiones en las que cruzó en volandas la Puerta Grande venteña, la última de ellas en 1974, año de su retirada de los ruedos. En 1962 se colocó en la cabeza del escalafón al torear 79 corridas, una temporada en la que también sufrió varios percances. Una de sus cornadas más graves tuvo lugar el 21 de abril de 1963 en la Monumental de Barcelona. Ese año sumó tan sólo 61 corridas. Por sus continuos triunfos recibió el trofeo “al mejor y más completo torero” que otorgó Radio Nacional de España y el “Popular de Pueblo” del diario madrileño. 1974 fue su última temporada de torero en activo, y el día de la Hispanidad se retiró en Sevilla actuando mano a mano con Paco Camino.

Para la fecha se escogieron toros de Urquijo, y Puerta cortó la oreja del último toro que lidió. A pesar de las propuestas recibidas en años sucesivos, es uno de los pocos casos en la Historia de la Tauromaquia que no retornó a los ruedos. A su brillante carrera taurina añadió su faceta de ganadero y empresario, pues estuvo durante la década de los 80 al frente de la plaza de Castellón.


VIDEO HOMENAJE DIEGO PUERTA por burladero_es

terça-feira, 29 de novembro de 2011

FADO EM RIO DE MOINHOS

A convite de Anabela Almeida, na sexta feira dia 25, rumei até Rio de Moinhos onde aí apresentei o fadista António Figueiredo e as fadistas Dora Maria e Joana Cota e ainda as jovens Salomé e Beatriz Felicio, ambas finalistas do concurso televisivo "Uma Canção para Ti" da TVI. Acompanhados á guitarra por José Manuel Bacalhau, á viola por Alexandre Silva e ainda, no acordeão, por André Natanael Teixeira. Noite fria, pouca gente em relação ao previsto, mas acabou por ser uma noite bastante agradável.


FADO EM MOITA DOS FERREIROS - LOURINHÃ

A convite da minha Amiga Eunice Carvalho fui no sábado, dia 26, após o lançamento do livro "Rua das Magnólias", até Moita dos Ferreiros, uma simpática localidade do Concelho da Lourinhã, afim de apresentar uma noite de fados que contou com sala cheia, onde ali actuaram António Figueiredo, Emanuel Soares e Anita Guerreiro, acompanhados que foram á guitarra por José Manuel Bacalhau, na viola por Tiago Silva e na viola baixo José Manuel Felicio.
Uma noite para recordar festejada em grande e caloroso ambiente na véspera de sabermos que o Fado iria ser reconhecido pela Unesco como Património Imaterial da Humanidade..
Ali me encontrei com Lilia Cepoi, uma jovem moldava que gosta imenso de fado.