domingo, 31 de janeiro de 2010

Duo Musical Balão e Caixa

No post anterior referia-me a um baile com o Conjunto "Raul e Eu". Convém dizer que o "Raul" não sou eu, nem o "Eu" sou eu, o Raul. Eu, Raul, não sou o único. Eu sou eu mas não sou o "eu" que faz dupla com o raul.
Deixemo-nos de trocadilhos para vos apresentar um duo musical, que com apenas um simples balão e uma caixa de madeira, se prepara para animar as festas das redondezas.
Vejam só....

Vamos a Bailar


Achei piada a este programa de uma matiné dançante "Da Gravata". Por dois, melhor, três motivos. O primeiro por me ter feito lembrar os meus bons velhos tempos de rapazola em que nos procurávamos reunir em volta de uma matiné dançante, esperando ansiosamente aquele "slow"... Depois porque os "bailes" quase que caíram em desuso e em ultimo lugar o facto de eles terem de se apresentar de gravata, mas o mais original possivel. Quem ainda tiver tempo, não deixe de ir a Arruda dos Vinhos e dar um pézinho de dança.

25 cêntimos... 0,25€.... 50 escudos (moeda antiga)


Esta história que vos conto aconteceu-me na passada sexta feira dia 29.
Depois de ter feito a entrega de umas garrafas de gás a um sub-agente o total da conta era de 248,95€.
Perante a entrega, em notas, de 250€, procurei no meu porta moedas o troco, mas as moedas que tinha apenas davam a soma de 0,80€ (oitenta cêntimos). Para que não houvesse mais confusão repliquei-lhe que na próxima volta, lhe daria os restantes 0,25€ (vinte e cinco cêntimos, os antigos "cinquenta paus").
Não concordando, o meu cliente, retirou uma nota de 5€ e voltou com dois sacos de plástico(!) cheios de moedas de vinte, dez e cinco cêntimos, e acertou as contas entregando-me um numero considerável de "moedinhas" até prefazerem os restantes 3,95€ que faltavam.
Ele viu-se livre das moedas. Eu vim carregado com elas... mas as contas ficaram certinhas e direitinhas, como diria o Camilo.
Mas o que eu queria apenas era facilitar (e não vir carregado, porque já não é a primeira vez que acontece).
Mentalidades séc: XVII... ou talvez não...

sábado, 30 de janeiro de 2010

Campinos Mulheres e Fado na Meia Via

A Opereta Campinos, Mulheres e Fado, depois do enorme sucesso obtido no Cine-Teatro da Chamusca, esgotando por três vezes, e visto por mais de 1500 pessoas, vai estar em cena na Sociedade Euterpe Meiaviense, amanhã Domingo, dia 31, ás 15.30h e no sábado dia 6, ás 21.30h. A sala da S.E.M. leva apenas 180 pessoas, por isso, se não quiser perder mais uma grande produção da Companhia de Teatro do Ribatejo com encenação de João Coutinho, faça já a sua reserva pelo 917.620.201 ou adquira o mais rápido possivel o seu bilhete. Lá vos espero no papel de D. António.

MARIA DE LURDES NORBERTO

OS ANOS DE OURO DO CINEMA PORTUGUÊS - MARIA DE LURDES NORBERTO ESTREIA-SE NO CINEMA COM "RIBATEJO" | pauloborges.bloguepessoal.com

Do You feel Phil? Pois é Phil e já lá vão 59


Lembram-se dele ? Tocava bateria e mais tarde foi vocalista dos "Genesis".

Philip David Charles Collins (Londres, 30 de janeiro de 1951), mais conhecido como Phil Collins, é um músico britânico.

Phil Collins já colaborou com vários artistas conhecidos, como George Harrison, Paul McCartney, Eric Clapton, Roland Orzabal, Robert Plant, Ringo Starr,John Lennon, Mike Oldfield, Sting, Peter Gabriel, Bee Gees e Ravi Shankar.
Fez uma participação especial em Woman in Chains, do Tears for Fears, e também participou do album Break Every Rule de Tina Turner, tocando bateria em musicas como Typical Male e Girls.

Depois que Peter Gabriel deixou o Genesis em 1975, Collins assumiu os vocais. Esse foi o período de maior sucesso comercial da banda, que continuou através dos anos 80. Enquanto trabalhava tanto como vocalista quanto de baterista, dava os primeiros passos de uma bem-sucedida carreira solo. .





Ghandi foi assassinado há 62 anos


Mahatma Gandhi, o maior líder nacionalista hindu e pacifista, é assassinado aos 78 anos a tiros por um jovem fanático.
Mohandas Karamchand Gandhi mais conhecido popularmente por Mahatma Gandhi ("Mahatma", do sânscrito "A Grande Alma") (Porbandar, 2 de Outubro de 1869 — Nova Déli, 30 de Janeiro de 1948) foi um dos idealistas e fundadores do moderno estado indiano e um influente defensor do Satyagraha (princípio da não agressão, forma não violenta de protesto) como um meio de revolução.
O princípio do satyagraha, frequentemente traduzido como "o caminho da verdade" ou "a busca da verdade", também inspirou gerações de activistas democráticos e anti-racismo, incluindo Martin Luther King e Nelson Mandela. Frequentemente Gandhi afirmava a simplicidade de seus valores, derivados da crença tradicional hindu: verdade (satya) e não-violência (ahimsa).




sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Bizarrias do nosso Mundo


Transexual, gay e pai: segundo homem grávido no mundo dá à luz em Fevereiro

Scott (ela) e Thomas Moore nasceram os dois com um corpo feminino, mudaram ambos de sexo, casaram-se e agora um deles vai dar à luz em Fevereiro.
Assim sendo inauguram um novo tipo de família.
Scott, 30 anos, engravidou com inseminação artificial e fará uma cesariana já no próximo mês sendo o segundo caso conhecido de um homem (?) grávido.
O casal já escolheu o nome da criança: Miles (Milhas).
Os dois vivem na California (onde o casamento entre pessoas do mesmo sexo foi proibido em 2008), mas são legalmente casados porque Scott nunca mudou o sexo na certidão de nascimento.
O primeiro caso de um homem grávido foi conhecido em 2008. O americano Thomas Beeatie deu à luz uma menina chamada Susan em Julho desse ano.
Se a moda pega… mulheres ficai descansadas que os homens carregarão o fardo por vós.
Vá-se lá perceber este Mundo. Elas a favor do aborto e ele+a) s felizes por emprenharem.



"Carne de porco é melhor que tomar viagra"Quem o diz é a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, que num discurso proferido na passada quarta-feira, recomendou o consumo de carne de porco em alternativa ao viagra.

A argentina é o país que tem o maior consumo per capita de carne bovina.
A presidente tem promovido o consumo de carne suína para que se diversifique o mercado.
Cristna Kirchner assegurou que “é muito melhor comer carne de porco grelhada do que tomar Viagra” e confessou ter passado “um fim-de-semana muito romântico” com o seu marido, o antigo presidente Néstor Kirchner, “depois de terem feito um churrasco à base de carne suína”.
Esta, sim, é a verdadeira Porcina.



João Paulo II auto-castigava-se e dormia nu no chãoO Monsenhor Slawomir Oder revela, no seu novo livro, que o falecido Papa João Paulo II auto-castigava-se e dormia despido no chão.
O Papa teria no roupeiro, pendurado entre as vestes, um cinto especial que utilizava para se autoflagelar. Quando optava por dormir no chão, Wojtyla tinha o cuidado de desmanchar a cama para evitar chamar a atenção para o seu acto de penitência. Esperemos que o quarto, pelo menos, tivesse aquecimento para que o sofrimento não fosse maior. Agora se percebe o porquê de o Papa sofrer de espondilose e reumático.


Hoje joga-se o Sporting Clube de Braga vs Sporting Clube de Portugal. Ambos, são Sporting. Mas só um é conhecido por isso. Talvez por um ser de uma cidade e o outro ser de Lisboa, capital de Portugal. Se o primeiro ganhar fica a 15 pontos, se ganhar o segundo ficará ainda a 9. O melhor se calhar era o empate.

D. Mimela


Maria Manuel Frederico de Seixas Carvão Guimarães de Sousa Cid Neves e Castro
A minha querida e saudosa conterrânea D. Mimela, poetisa, Senhora de rara sensibilidade, madrinha do Grupo de Forcados Amadores da Chamusca, comemora hoje mais um aniversário.
E embora já nos tenha deixado fisicamente digo, comemora, porque, como diz Camões, “por obras valorosas se libertou da morte”.



A 3 de Outubro de 1992, no Cine-Teatro da Chamusca, organizei um espectáculo, em parceria com Custódio Castelo, intitulado Guitarra d'Oiro e de homenagem a D. Mimela.
No programa de mão escrevi umas breves e simples palavras sobre D. Mimela.
(clique em cima da imagem para aumentar)















quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Dois momentos de Ópera.... diferentes. Ou será que não?

Da ópera "A Flauta Mágica" de Mozart, aqui vos deixo duas formas de interpretar a Rainha da Noite.
Metam ambos os filmes a correr ao mesmo tempo e ides reparar que aos quarenta segundos de filme há um encontro.... Ele há coisas girissimas.





Mais Três CDs de qualidade na minha discoteca


Hoje à hora de almoço fui surpreendido com mais três CD's. Oferta simpática da minha Esposa.
Obrigado Paula.


Michael Bublé



Dulce Pontes - Momentos



Il Divo - The Promise

De bicicleta a 143 kms/h. Há curvas e curvas...

Descer uma montanha de bicicleta a 143 kms/h é obra... o pior é se uma roda da bicicleta.... Bem...o melhor é verem.



Nunca fui grande amante dos desportos motorizados e muito menos de rallyes. Apenas e só uma vez vi ao vivo uma prova destas para os lados de Tomar. Há curvas que se têm de fazer devagar senão poder-se-à tomar um banho (1,20 mnts), Capotar (2,10) ou ganhar equilibrio (2,45).

Hey Jude.... huumm huumm

“Hey Jude” é uma canção dos Beatles composta por Paul McCartney, creditada à dupla Lennon-McCartney, e lançada no Lado A do single Hey Jude/Revolution de 1968. Apesar da longa duração da canção (quase sete minutos, o que era muito incomum na época), foi o single mais vendido dos Beatles.
Ainda hoje até os mais pequenitos a cantam....




Se a ti te gusta, a mi me encanta

As bodas de Luis Alonso com acompanhamento de castanholas nas mãos de D. Lucero Tena

Sorrisos.. no meio do frio

No meio de tanta tristeza e angústia ainda há notícias que nos fazem sorrir.
De novo os Pintos.
Pinto da Costa revisitou o colégio das Caldinhas, em Santo Tirso o qual frequentou de 1950 a 1955 e com a ironia que lhe é reconhecida, afirmou que gostaria de ter sido jornalista mas quando concorreu para o jornal “a Bola”, disseram-lhe que tinha de dizer mal dele mesmo.
Como achou que não devia dizer mal de si, desistiu.
Saiu-me cá um brincalhão, este senhor.

O bastonário da Ordem dos Advogados, Marinho Pinto, disse ontem na cerimónia da abertura do ano judicial, que decorreu no Supremo Tribunal de Justiça em Lisboa, uma coisa que há muito já sabíamos. Que há sinais evidentes de que a Justiça está politizada (sic).
Se fosse eu a dizê-lo ninguém acreditava em mim. Talvez agora acreditem no Senhor Marinho Pinto
Depois do afirmado, será que este senhor se vai aguentar muito mais tempo no lugar que ocupa?

Hans Kurt Kubus, um turista alemão de 58 anos, foi detido pelas autoridades neozelandesas no aeroporto de Christchurch, quando tentava entrar no país com 44 lagartixas e pequenos lagartos nas cuecas, os quais iria utilizar para contrabando.
Alguns lagartos podem valer cerca de mil euros no mercado negro.
O turista foi multado em 2 500 euros e irá passar três meses e meio de prisão numa prisão da Nova Zelândia antes de ser devolvido á procedência.
Lagarto, lagarto…

La Tour Eiffel nasceu há 123 anos


Dia 28 de Janeiro de 1887 -
Colocação da primeira pedra da Torre Eiffel, símbolo de Paris, projectada por Gustave Eiffel. Inaugurada em 1889 como a máxima atracção da Exposição Universal, a Torre era então a construção mais alta do mundo, com 300 metros de altura.
Estive lá em Outubro de 1984 (Grupo Gente) e em Julho de 1993 (Grupo de Danças e Cantares da Chamusca e Ribatejo).






Challenger - O acidente foi há 24 anos

1986 - A espaçonave Challenger explode 73 segundos após ter sido lançada. O acidente mata seis astronautas e a professora Christa McAuliffe, primeira civil a participar de um programa espacial.

65 anos depois... o Holocausto

Cerca de uma centena de sobreviventes de Auschwitz-Birkenau juntaram-se esta quarta-feira, dia 27, no local do antigo campo de extermínio nazi para assinalar o 65.º aniversário da sua libertação pelo exército soviético.
Para muitos destes antigos prisioneiros, todos de idade avançada, esta é a última oportunidade para homenagearem, no local, os cerca de 1,1 milhões de homens, mulheres e crianças gaseados, fuzilados ou mortos pela fome ou o frio.

Há cinco anos, quando se assinalou o 60.º aniversário da libertação, os sobreviventes que participaram nas cerimónias eram mais de dois mil.


quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

De ontem para hoje, há gostos para tudo.

Depois dos jogadores de futebol é a vez dos cantores se reunirem e, tal como há 25 anos, regravarem o tema “We are the world” que, na altura, reuniu nada mais, nada menos, que 60 milhões de dólares para ajudar a combater a fome na Etiópia e no Sudão.
Desta vez, e para minimizar a tragédia no Haiti, já se começam a convocar nomes bem conhecidos do panorama musical Mundial e, como o avanço da técnica tudo permite, até a voz de Michael Jackson irá ser “ressuscitada”.

Não a cantar, como costuma fazer no carnaval do Funchal, mas desagradado com a lei das finanças regionais está o “Tio” Alberto que chama chantagista ao governo da maioria relativa de Sócrates. Ele lá sabe porquê.

Sem vontade de cantar e obrigado a ficar calado está Pinto da Costa. A Comissão Disciplinar da Liga suspendeu-o por três meses e o pagamento de uma coima de 1500 euros. Pela boca morre o pinto.

A mim faziam-me um jeitão.
Avaliada em 300 milhões de dólares é a fortuna de Brad Pitt e da Angelina Jolie.
Ainda não se sabe muito bem se eles se vão separar ou continuarem juntos. Sabe-se que não são casados e que têm 6 filhos. Três biológicos e três adoptados.
Com uma mãe daquelas nem eu me importava de ser adoptado.
-Ai minha rica mãezinha….

Quem parece que, não tendo muito jeito para representar, ainda assim, por ter gravado um anúncio para o Banco Espírito Santo, patrocinador oficial da Selecção, Liedson, o tal baiano brasileiro luso seleccionado, virá a auferir cerca de 165.000 euros (33.000 contos) de compensação pelo trabalho.
Caso para dizer: Quem quer dinheiro… vai gravar anúncios para o BES.
Podiam-me ter convidado para gravar esse anúncio, pelo menos falo português… mas sem açúcar.
Com açúcar ou sem ele, finalmente, parece que os “de olhos em bico” vão deixar de poder comer cães e gatos. Caso isso aconteça, talvez que o nosso futuro passe por criar lebres para exportação. E nesse caso já eles, os chineses, poderiam comer lebre por gato.
Talvez um dia possamos dizer que o nosso estado económico não esteja tão “miau” como isso…

Rui Veloso - Trinta Anos depois....


Tudo começou em 1980 com Ar de Rock, a primeira parceria entre Veloso (o autor da música) e Carlos Tê (que escreveu praticamente todas as letras das suas músicas mais emblemáticas). É um disco cheio de, agora, clássicos como Chico Fininho, A Rapariguinha do Shopping, Saiu para Rua ou Bairro do Oriente.

Rui Veloso tem mais oito álbuns de originais e quatro de concertos. O terceiro, Guardador de Margens, de 1983, é mais outro disco recheado de sucessos que toda a gente conhece, como A Ilha ou Máquina Zero. Rui Veloso, o quarto disco, foi outro mega-sucesso: tem lá dentro Porto Côvo, Porto Sentido, Cavaleiro Andante, Directo à Cabeça ou Champanhe.



Em 1990 vem o duplo Mingos & Os Samurais, o disco de O Prometido é Devido, Já Não há Estrelas no Céu ou Baile da Paróquia. Lado Lunar, de 1995, faz Veloso de regressar aos tops com músicas como Já Não Há Canções de Amor, por exemplo. Três anos depois chega Avenidas, com Jura e Todo o Tempo do Mundo.

Novo álbum de originais só aparece em 2005, o tal de Não queiras Saber de Mim e de Canção de Alterne.

Giuseppe Verdi faleceu há 109 anos


Giuseppe Fortunino Francesco Verdi (Roncole, 10 de outubro de 1813 — Milão, 27 de janeiro de 1901) foi um compositor de óperas do período romântico italiano, sendo na época considerado o maior compositor nacionalista da Itália.
V.E.R.D.I. foi usado como acrônimo para "Vittorio Emmanuelle Rè de Italia" como propaganda nacionalista.

Mozart nasceu há 354 anos


Wolfgang Amadeus Mozart nasceu a 27 de Janeiro de 1756, pelas 20h00, na Getreidegasse, rua da cidade de Salzburgo, na Áustria, e foi o último dos 7 filhos de Leopold Mozart e Anna Maria Pertl Mozart, tendo sido baptizado um dia depois, na Catedral de São Ruperto, com o nome latino de Johannes Chrysostomus Wolfgang Gottlieb Mozart. Mozart passou a vida a mudar a forma como se chamava e a forma como era chamado pelos outros.
Os dois primeiros nomes de batismo recordam que o seu dia de nascimento, 27 de Janeiro, que era o dia de São João Crisóstomo. "Wolfgangus" era o nome do seu avô materno. "Theophilus" era o nome do seu padrinho, o negociante Johannes Theophilus Pergmayr.
Mozart continuou, mais tarde, a fazer modificações ao seu nome, em especial o nome do meio, "Theophilus" (Teófilo) que significa, em grego, "Amigo de Deus". Só em raras ocasiões usou a versão latina deste nome, "Amadeus", que hoje tornou-se a mais vulgar. Preferia a versão francesa Amadé ou Amadè. Usou também as formas, italiana "Amadeo" e alemã "Gottlieb".

Jorge Fontes, uma guitarra que se silenciou


O guitarrista Jorge Fontes, de 75 anos, morreu esta terça-feira à saída da sua residência na Damaia, aparentemente de doença, revelou um familiar do músico.
Jorge Fontes acompanhou vários fadistas, como Amália Rodrigues e Fernando Farinha, e colaborou ainda com José Afonso, no EP "Cantares" (1964), Quim Barreiros, no seu primeiro disco, em 1971, e António Variações, no álbum "Dar e receber".
Editou ainda vários discos com o seu conjunto de guitarras.
O seu último álbum foi editado em 2007, pela Metro-Som, e inclui, entre outros temas, "As minha variações em Lá" e "o que me disse a guitarra", ambos da sua autoria, e "Picadinho do Minho" e "Ó Malhão", para os quais fez os arranjos.
Tristão da Silva, Ada de Castro, Maria da Fé, Fernanda Maria, Fernanda Pinto, Frederico Vinagre e Lenita Gentil foram outros dos nomes que acompanhou.
Como músico integrou o elenco de várias casas de fado de Lisboa, designadamente Arcadas do Faia e Restaurante Típico O Forcado, onde actuou durante 29 anos, no Bairro Alto.
Actuou por diversas vezes em programas recreativos da RTP e no estrangeiro, designadamente em Espanha, França, Bélgica, Itália, Holanda e Suécia.

Mestre João Nuncio, 34 anos de Saudade.



João Alves Branco Núncio nasceu em Alcácer do sal a 15 de Fevereiro de 1901. Filho de lavradores viveu sempre em permanente contacto com a terra pela qual era apaixonado. “O cheiro da terra molhada, que os poetas cantam, é um grande estimulante. Anima-nos sempre a maiores empreendimentos. Se a terra nos ajuda tanto, devemos-lhe gratidão”, afirmou o cavaleiro numa das suas crónicas.

O seu pai criava touros de lide pelo que cedo despertou para aquela que viria a ser a sua verdadeira vocação: a de cavaleiro tauromáquico. Com apenas 13 anos, João Núncio fazia a sua primeira apresentação em público na Praça de Touros de Évora. No entanto, obrigado a prosseguir os estudos, é forçado a deixar as arenas por algumas temporadas.

Só regressa às lides em 1917, depois de ter concluído o Curso Geral do Comércio na Escola Académica de Lisboa, onde conhece o seu amigo e companheiro de arenas, Simão da Veiga. Começa então a actuar em praças de província, mas o seu estilo inovador e o génio que revela na arte do toureio deixam adivinhar a brilhante carreira que o cavaleiro viria a ter.

Apadrinhado por António Luís Lopes, João Branco Núncio recebeu a alternativa a 27 de Maio de 1923, na histórica Praça de Touros do Campo Pequeno, em Lisboa. Na altura, o cavaleiro era já figura de destaque no meio tauromáquico. Uma semana depois de receber a alternativa é contratado para tourear no Campo Pequeno, mas faz constar do seu contrato uma cláusula em que exige lidar apenas touros puros, ou seja, animais que nunca tivessem sido toureados ou corridos em praça.

Com a ajuda do seu amigo Simão da Veiga, João Núncio inicia uma revolução na tourada portuguesa que conduz ao abandono do uso do touro corrido. O cavaleiro revela-se também inovador na forma como preparava as suas montadas. Cada um dos seus cavalos adaptava-se a uma lide específica.

Conhecido como o “Califa de Alcácer” e considerado como uma das mais altas figuras do toureio equestre, João Núncio conquistou o público dentro e fora de Portugal com o seu estilo espectacular e figurativo. Toureou pela última vez a 21 de Outubro de 1973. Ao longo da sua carreira, terá participado em cerca de mil touradas, lidado mais de dois mil touros e utilizado 61 cavalos.

Morreu a 26 de Janeiro de 1976, na Golegã.
UM HOMEM: João Branco Núncio•
Que outra figura poderia escolher para breve antecâmara de crónicas taurinas?
Raros homens, neste século de galopante putrefacção do carácter, reuniram, como ele, tão altas virtudes de português autêntico: o amor à terra, a coragem moral e física, a generosidade discreta - quase humilde - o sacrifício abnegado nas mais cruéis circunstâncias.
Vejo-o fechando na mão tisnada um punhado de torrão seco, enquanto os olhos perscrutavam um céu desesperadamente nu de ansiada chuva. Na luta contra a terra, conquistara honradamente os frutos que generosos só são quando por eles se sangra um trabalho tenaz, constante.
Vejo-o fechando na mão tisnada o ferro com que, nas arenas ardentes de sol e emoção, desafiava o toiro, na mais nobre e tradicional festa popular portuguesa. Na luta contra a fera, soubera grangear o mais alto troféu de um toireiro: a admiração, o amor do povo que, ali, com ele se irmanava na valentia instintiva, no gosto por essa arte cinética secular.
Vejo-o, enfim, fechando na mão tisnada as rédeas amargas, quando vilmente espoliado da enxada que sempre trouxera na carne para desbravar a terra, empunhava agora a única que lhe restava - na alma: a do toireio equestre.
A este trouxera a inovação, o sentido simplista de síntese e medidas, e uma grandeza inolvidável.
Não só como Centauro se oferecera aos toiros. De igual, lidava-os a pé, de capote e muleta; corria-os em campo aberto, na euforia do derrube, no apadrinhamento da apartação dos bezerros - a mesma euforia e também o mesmo anseio criador com que sofria o despontar e o envigorar das searas, dos arrozais, da vida que só a terra dá e o homem rouba...
Com Núncio passou o toireio equestre a definir-se por axiomas diferentes, magistrais. Poder-se-à dizer que se tornou fronteira de estilos na lide montada: antes de Núncio; depois de Núncio. Contudo, na sua modéstia natural parecia não se aperceber de que criara uma nova era tauromáquica que seus contemporâneos seguiriam: os cânones nuncistas.
Como Juan Belmonte, para o toireio a pé, João Núncio foi expoente máximo para o toireio a cavalo. Em crónica futura se falará desta Arte.
Nasceu João Alves Branco Núncio a 15 de Fevereiro de 1901, na Herdade de Parchanas, de São Romão, para onde seu avô, Joaquim Mendes Núncio, lavrador da Golegã, se trasladara, em 1878. Aí, em Alcácer do Sal, cingiu esporas. Aos 13 anos, a 23 de Agosto de 1914, toireou pela primeira vez em público, num cavalo - Teodoro - que fora de Manuel Casimiro, quando a glória da "Festa Brava" equestre se disputava entre este cavaleiro e o Morgado de Covas. Depois, alternando com seu pai, Inácio Augusto Murteira, surgiu na Praça de Évora, a 20 de Setembro desse mesmo ano, "não apenas como um caso de precocidade, mas também, e principalmente, como deslumbrante revelação artística" - aplaudiu a crítica: era a sua segunda corrida.
Finalmente, veio a hora da regra tradicional: na tarde de 27 de Maio de 1923, António Luís Lopes concedeu-lhe a alternativa, na Praça do Campo Pequeno. Ele próprio a concederia, mais tarde, a onze cavaleiros tauromáquicos: Dr. Fernando de Andrade Salgueiro e Dom Vasco Jardim (1938), Francisco Murteira Correia (1943), Eng.° José Rosa Rodrigues (1944), Dom Francisco de Mascarenhas (1945), Francisco Sepúlveda (1952), Gastón dos Santos (1954), seu filho, Eng.° José Barahona Núncio (1962), Eng.° José Samuel Lupi e Alfredo Conde (1963), Frederico Cunha (1968) e José João Zoio (1972).
Em Espanha, onde múltiplas vezes ergueu as praças de entusiasmo e admiração, foi o primeiro cavaleiro português a matar toiros, a cavalo, a estoque. Em Portugal, consagrou-o o povo como sendo "o maior". Era-o, de facto: o maior vulto da história do toireio a cavalo em todo o mundo.
Depois, não mais parou de empolgar as arenas, senão quando o acidente da queda de um cavalo aniquilou seu filho e o desgostou para sempre de honrarias, ovações.
Contudo, aos 75 anos - salvados três cavalos do assalto infame da negra saga de ocupações predatórias - não lhe faltou coragem para enfrentar, de novo, a vida nos redondéis. Por fim, na Golegã, quando serenamente preparava um dos corcéis, veio a enfrentar a morte - derradeiramente.
Estava a cavalo, enforquilhado na sua sela-charrua; pés bem firmes nos estribos da honradez, da dignidade.
Pelos olhos nublados, entre terra e céu, ter-lhe-iam desfilado, nos cenários edénicos verde-azuis das lezírias e calmosos verde-pardos das charnecas, essas montadas fiéis em que se prolongara a sua imagem cavaleira: Relâmpago, Santander, Pregonero, Alpompé, Lidador, Numerário, Quo Vadis, Pincelim, Sultão, Gaio, Malhinha, Marialva, Temporal, Gaiato, Ribatejo, Glorioso, Garoto e tantos outros, crinas ao vento, alados como pégasos. Também os toiros, não como adversários de violência animal, mas como nobres lutadores leais (que não os homens semeadores de ódio) e sobretudo aquele inesquecível Trompeta que foi base da sua ganadaria de sangue Urquijo.
Inscreveu-se Núncio ao centro de um triângulo: Toiro, Cavalo, Terra. Triângulo iluminado de amor, quase signo da Pátria que ele visceralmente vivia. Nunca a traiu. Quem da vida faz altar de trabalho e esperança não pode - não sabe trair.
À terra desceu, entre o amor dos homens - não da escassa escumalha arrebanhada por traidores rapaces, mas do povo-Povo, em cujas veias corre sangue puro, como os ares lavados das manhãs campestres: seiva da própria terra.
Morto para a Pátria - com a Pátria -, outro triângulo mais alto o ilumina: o signo de Deus.

Mascarenhas Barreto

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Pernnel Roberts, uma lenda que desapareceu.


Já soube da notícia tardiamente. Mas aqui fica.
Tentava não perder um único episódio que fosse daquela série.
Já lá vão uns bons quarenta anos.
Era sagrada aquela hora em que, anunciado na TV, ali me quedava como que enfeitiçado a acompanhar os “Bonanza”.
Um dos três irmãos era o Adam, quase sempre vestido de escuro, o mais pacificador, o mais intelectual, o mais mulherengo. Era o filho mais velho de Bem e irmão do Hoss e do Joe Pequeno.
Faleceu ontem, dia 25 de Janeiro, com a idade de 81 anos.
Aqui ficam algumas imagens de mais um dos meus ídolos de infância.
Pernell Roberts ou Adam Cartwright, qepd



Deve ter sido o programa mais visto da TV ontem à noite.
Ninguém terá querido perder o jogo dos “ricos” contra a pobreza.
A julgar pelo que ganham (actuais) ou ganharam (antigos), só que eles dessem uma ínfima percentagem das suas fortunas pessoais, a soma total da receita suplantava, em muito, os anunciados 2,5 milhões de euros já conseguidos.
No entanto, ontem à noite, no estádio da Luz as 51.312 pessoas aí presentes permitiram encaixar à volta de 513.000 euros.
O aniversariante Eusébio deu o pontapé de saída para um jogo onde foi bonito de rever velhas glórias do futebol Mundial.
Ainda bem que este jogo foi em Portugal, e o pudemos ver na TV, porque se tivesse sido na Venezuela, talvez este canal televisivo estivesse encerrado a mando de Hugo Chavez.
Assim como estes jogadores deram a cara, o seu esforço e o seu contributo a esta causa, um pouco antes, também Sá Pinto dava a cara, em conferência de imprensa, e a razão pela qual deu na cara a Liedson.
Quem não dá a cara, decididamente, são o PSD e o CDS pelo Orçamento do Estado, olhando para o lado e assobiando para cima. O Orçamento passará com a abstenção da direita.
Quem foi apanhado com a carinha na água, ou a boca na botija, ou em flagrante delito, foi um agente da PSP do Porto, de 32 anos, e a frequentar um curso de subchefes em Torres Novas, integrando um grupo organizado que assaltava… traficantes de droga.
É caso para dizer: “Oh da guarda”…
Para finalizar, daqui endereçamos os parabéns duplos ao “Special One” José Mourinho não só pela fabulosa vitória contra o arqui-rival AC Milão (2-0) como pela passagem, hoje, do seu 47º aniversário.


segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

My Sweet Lord. Para os trintões, Quarentões, Cinquentões... Para toda a gente. Divirtam-se.

Trata-se da interpretacão da cancão "My Sweet Lord", de George Harrison, realizada por um grupo de excelentes músicos, todos amigos de George.
Este concerto foi em sua homenagem, dois anos depois de sua morte.

Na guitarra acústica Eric Clapton,
na guitarra elétrica o filho de George Harrison,
ao piano Paul McCartney,
na primera bateria Ringo Star,
na segunda bateria Phill Collins, e
na segunda guitarra elétrica Tom Petty,
ao orgão e interpretando a primeira voz o incrível Billy Preston.
Entre as vocalistas do coro esta Linda Eastman, esposa de Paul McCartney.

Também estavam presentes nesse concerto:
Bob Dylan,
Ravi Shankar,
Jethro Tull e um número enorme de amigos e colegas dos The Beatles, assim como todo grupo 'The Cream” de Eric Clapton.
Todos um pouco gordos e enrugados, mas encarnando o melhor do melhor, representativo dos anos 70.

Billy Preston chegou a ser conhecido como o quinto Beatle; foi ele que sempre tocou o piano e o orgão em todas as gravacões dos Beatles.
Simplesmente Maravilhoso!!!



Parabéns Eusébio! Obrigado por tudo





Nasci a ouvir falar dele. Quando comecei a balbuciar as minhas primeiras palavras, penso que o nome dele tenha feito parte do meu léxico. Faz parte das minhas (boas) memórias. Foi o meu primeiro ídolo.
Hoje está de parabéns pelos seus 68 anos de vida.
Eusébio foi consagrado o maior goleador de sempre em Portugal, com com 342 golos em 373 jogos em 17 anos de carreira.
Nome Completo: Eusébio da Silva Ferreira
Alcunha(s): O Génio da Mafalala / O King / O Pantera Negra / O Catemba / O Abono de Família / Pérola Negra
Nacionalidade: Moçambicana e Portuguesa
Local de Nascimento: Lourenço Marques / Moçambique
Data de Nascimento: 25 de Janeiro de 1942
Posição: Avançado
Altura: 1,75m
Peso: 73Kg
. 1974/75 - S.L.Benfica - 9 Jogos / 2 Golos
1973/74 - S.L.Benfica - 21 Jogos / 16 Golos
1972/73 - S.L.Benfica - 28 Jogos / 40 Golos
1971/72 - S.L.Benfica - 24 Jogos / 19 Golos
1970/71 - S.L.Benfica - 22 Jogos / 19 Golos
1969/70 - S.L.Benfica - 22 Jogos / 21 Golos
1968/69 - S.L.Benfica - 21 Jogos / 10 Golos
1967/68 - S.L.Benfica - 24 Jogos / 42 Golos
1966/67 - S.L.Benfica - 26 Jogos / 31 Golos
1965/66 - S.L.Benfica - 23 Jogos / 25 Golos
1964/65 - S.L.Benfica - 20 Jogos / 28 Golos
1963/64 - S.L.Benfica - 19 Jogos / 28 Golos
1962/63 - S.L.Benfica - 24 Jogos / 23 Golos
1961/62 - S.L.Benfica - 17 Jogos / 12 Golos
1960/61 - S.L.Benfica - 1 Jogos / 1 Golo
Totais no S.L.Benfica: 440 Jogos / 473 Golos
(Campeonato 301/317, Taça de Portugal 61/97, Eurotaças 75/57 e Taça Intercontinental 3/2)
.
Estreia: 1 de Junho de 1961, no Campo dos Arcos em Setúbal
(Setúbal 4 - S.L.Benfica 1) - Com Béla Guttmann
.
Último jogo: 29 de Março de 1975, na Luz
(S.L.Benfica 4 - Oriental 0) - Com Milorad Pavic
.
Primeiro golo: 1 de Junho de 1961, no Campo dos Arcos em Setúbal
(Setúbal 4 - S.L.Benfica 1) - Marcou o 3-1 aos 64'
.
Último golo: 23 de Março de 1975, no Bonfim
(Setúbal 2 - S.L.Benfica 1) - Marcou o 0-1 aos 20'
.
Competições Europeias: 75 Jogos / 57 Golos
.
Estreia: 1 de Novembro de 1961, em Viena
(FK Áustria 1 - S.L.Benfica 1) - Com Béla Guttmann
.
Último jogo: 19 de Março de 1975, na Luz
(S.L.Benfica 1 - PSV Heindhoven 2) - Com Milorad Pavic

Primeiro golo: 8 de Novembro de 1961, na Luz
(S.L.Benfica 5 - FK Áustria 1) - Marcou o 4-0 aos 68'
.
Último golo: 24 de Outubro de 1973, na Luz
(S.L.Benfica 1 - Ujpest 1) - Marcou o 1-1 aos 70'
.
Selecção: 64 Jogos / 41 Golos
.
Estreia: 8 de Outubro de 1961, no Luxemburgo
(Luxemburgo 4 - Portugal 2)
.
Último jogo: 13 de Outubro de 1973, em Lisboa
(Portugal 2 - Bulgária 2)
Primeiro golo: 8 de Outubro de 1961, no Luxemburgo
(Luxemburgo 4 - Portugal 2)
.
Último golo: 28 de Março de 1973, em Coventry
(Irlanda do Norte 1 - Portugal 1)
Palmarés:
1 Taça dos Campeões Europeus - 1961/62 (S.L.Benfica)
11 Campeonatos Nacionais - 1960/61, 1962/63, 1963/64, 1964/65, 1966/67, 1967/68, 1968/69, 1970/71, 1971/72, 1972/73 e 1974/75 (S.L.Benfica)
5 Taças de Portugal - 1961/62, 1963/64, 1968/69, 1969/70 e 1971/72 (S.L.Benfica)
1 Campeonato Norte-Americano - 1975 (Boston Minutemen)
1 Campeonato Mexicano - 1975/76 (Monterrey)
1 Campeonato NASL - 1976 (Toronto Metros-Croatia)
1 Bola de Ouro - 1965 (S.L.Benfica)
2 Botas de Ouro - 1968 e 1973 (S.L.Benfica)
7 Bolas de Prata - 1963/64, 1964/65, 1965/66, 1966/67, 1967/68, 1969/70 e 1972/73 (S.L.Benfica)
3x melhor Marcador da Taça dos Campeões Europeus - 1964/65, 1965/66 e 1967/68 (S.L.Benfica)
3x Vice-Campeão Europeu - 1962/63, 1964/65 e 1967/68 (S.L.Benfica)
Finalista Taça Intercontinental - 1962/63 (S.L.Benfica)
Melhor Marcador do Mundial de Inglaterra - 1966 (Selecção Nacional)
Medalha de Bronze no Mundial de Inglaterra - 1966 (Selecção Nacional)
Vice-Campeão Minicopa - 1972 (Selecção Nacional)

Campo Pequeno, Grandes Sonhos

Foi ao som estridente do cantar do galo que ontem acordei. Há muito que tal não me acontecia. A sensação de bem-estar e de liberdade dá-nos uma outra dimensão. Curiosamente a porta é azul. A casa, embora construída numa quintinha, não é rústica. Reúne todas as comodidades de habitabilidade. Ao fundo um pequeno tentadero, e, mesmo ao lado, uma cavalariça. Em espaço contíguo o “Tomás”, um jumento, zurrava. Em ambiente de total liberdade galinhas, galos e cocós percorrem alegremente aquele espaço, agora verdejante, enriquecido pelas últimas águas caídas. Um fim-de-semana com uma ligeira mudança de ares. Às portas de Lisboa, ou, melhor dizendo, a meia etapa entre Vila Franca e Arruda dos Vinhos. Na zona comercial do renovado Campo Pequeno, ali almoçámos. Como nós, centenas de pessoas, aproveitando um domingo soalheiro mas embalado pela brisa fresca. Um momento de espera e de convívio, aproveitando o brilho e o escasso calor do Astro Rei, num dos muitos bancos de jardim que se acercam do sumptuoso edifício. Finalmente, a meio da tarde o espectáculo a que nos propusemos presenciar. A vontade indómita de uma dúzia de jovens vindos de México, França, Espanha e, naturalmente de Portugal. Querem ser toureiros. Matadores de Toiros. Figuras do toureio. Quem lhes pode cortar o sonho? Foi a final do III Encontro de Escolas Taurinas promovido pela Tertúlia “O Piriquita” de Arruda dos Vinhos em parceria com a Empresa do Campo Pequeno, Fundação João Alberto Faria e com o apoio da Câmara Municipal de Arruda. Há sempre outras portas que se abrem. Para bem receber ou para acalentar sonhos. http://www.campopequeno.com/default.aspx?CpContentId=124

sábado, 23 de janeiro de 2010

Arruda dos Vinhos e Campo Pequeno



Este fim de semana estarei fora. Irei passar o serão de sábado a Arruda dos Vinhos e Domingo estarei no Campo Pequeno a acompanhar os jovens que querem ser figuras do toureio.

Sábado, 22 h, Auditório Municipal de Arruda dos Vinhos: “Ser Toureiro no século XXI, por José Carlos Arévalo, director da revista 6 Toros 6. Segue-se “O comportamento e o futuro dos principais encastes”, com José Carlos Arévalo, D. Eduardo Miura e Dr. Joaquim Grave.
Domingo, 15.30H, Salão Nobre do Campo Pequeno: “Informação e Formação do público taurino”, por José Carlos Arévalo e Francisco Morgado, director do Jornal Olé.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Parabéns Pai

Hoje é dia de S. Vicente.
Há setenta e seis anos nascia em Almeirim um individuo do sexo masculino ao qual veio a ser dado o nome de Alfredo Bexiga Caldeira.
Com dezasseis anos rumou à Chamusca para empregado de balcão de uma loja pertencente ao Snr. Manuel Moedas. Mais tarde foi guarda-livros de uma cerâmica no Casal da Foz pertença de Hernâni Lopes da Costa.
Cumpriu o serviço Militar na India Portuguesa em Bogmaló (Goa).
Casou a 23 de Agosto de 1959 com Maria Generosa Freire Gaudêncio.
Estabeleceu-se por conta própria em 1963 no Largo Vasco da Gama, na Chamusca, com uma drogaria, mais tarde com uma loja de loiças e plásticos.
Em 1969 forma sociedade com Marques & Rosário, uma firma de Móveis de Almeirim, no Largo Eng. Carlos Amaral Netto, vulgo largo da Branca de Neve, com o nome de Móveis Bonfim da Chamusca.
Mais tarde adquire a sapataria Rosibela, mudando-lhe o nome para sapataria Bonfim.
Foi director do Grupo Dramático Chamusquense, Clube Columbófilo Chamusquense e Grupo Juventude Chamusquense, hoje União Desportiva.
Amigo do seu Amigo, respeitador, trabalhador, circunspecto, sofria consigo mesmo.
Um ano depois do 25 do quatro, disse-me junto à loja de Móveis: Já fomos enganados!
E não é que ele tinha razão?
Faria hoje setenta e seis anos.
Tenho imensas saudades dele.
Parabéns Pai.

Os Pintos e os poleiros


Em locais mais recônditos do nosso tão peculiar País ainda há quem os tenha. Lembro-me que em pequeno, na casa que era então pertença da minha avó, mesmo ao fundo do logradouro (vulgo quintal), havia um.
Anos passados deixou de existir os naturais habitantes para, mais tarde, se tornar num local de habitação de outra espécie animal.
De galinheiro passou a pocilga. As galinhas e os pintos deram lugar a uma porca.
Não é que, nos dias de hoje e analisando o nosso exíguo rectângulo geográfico, faço comparações com o galinheiro da minha avó? Já eu me divertia ao ver os pintainhos, em movimentos nervosos, a correr atrás das mães galinhas. E os galos a ver…
Realmente este é um pobre País, mas rico em apelidos, principalmente de árvores de fruto. Senão vejamos, eles há os Oliveiras, Laranjeiras, Pereiras, Pinheiros, ou ainda apelidos como os Soares, Silvas ou os Sousa, e também os há de animais.
Agora até parece que já saiu um Coelho da cartola. Diga-se em abono da verdade, que a laranja é muito mais gostosa com coelho que, propriamente, com leite. Esta última mistura dá um certo azedume.
Mas voltando ao galinheiro da minha saudosa avó, recordo os pintos e comparo-os (salvo seja) com alguns que estão agora no poleiro de várias instituições.
O Conselheiro Fernando José Matos Pinto Monteiro é o Procurador-geral da Republica.
José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa é o primeiro-ministro de um governo relativo.
António Marinho Pinto, Bastonário da Ordem dos Advogados.
Maria José Nogueira Pinto, deputada social-democrata, a tal que chamou palhaço a um deputado.
Helena Pinto, deputada do bloco de esquerda.
José Pinto Coelho, líder do PNR.
Francisco José Pereira Pinto Balsemão, conhecido político e empresário.
Ricardo Manuel da Silva Sá Pinto foi jogador e era o director desportivo do Sporting Clube de Portugal. Agrediu o então seleccionador nacional e treinador Artur Jorge e o jogador Liedson.
João Vieira Pinto, ex jogador do Boavista, Benfica, Sporting e SC de Braga e da selecção nacional agrediu o árbitro argentino Ángel Sánchez num jogo da fase de grupos do Campeonato Mundial de Futebol de 2002
Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa, presidente do Futebol Clube do Porto.
Para pintos, podemos dizer que são uns grandes galos.
E que bem que eles cantam.
Quanto a nós, os cocós, levamos cada galadela….

Na Toca do Leão


Na noite de quarta feira, após o jogo que opôs o SCP e o Mafra, vitória dos Leões por 4 a 3, o director desportivo Ricardo Sá Pinto envolveu-se numa acesa disputa com o jogador brasileiro (esperavam que escrevesse luso-brasileiro?) Liedson e chegaram mesmo a vias de facto. Resultado: Sá Pinto pediu a demissão e o ao jogador foi-lhe instaurado um processo disciplinar.
Do outro lado do Oceano, no Canadá, com o seu jeito perspicaz e arguto humor, o meu conterrâneo Jorge Neves escrevia no nick do seu messenger: No balneário do SCP só se ouvem os Xutos e Pontapés no tema "Jogo do Empurra".
Melhor frase não poderá haver para ilustrar o que se passou, de grave, no tunel de acesso aos balneários do Alvalade XXI.
Obrigado Jorge!
Um Abraço.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Gostar, ou não, de animais




Este é um dos tais assuntos que só diz respeito a quem gosta e que me toca particularmente pela minha reconhecida paixão à Festa Brava.
Sou aficionado desde que me conheço e, tenho orgulho em fazer parte daquele número imenso que faz com que, a Festa dos Toiros, seja o segundo espectáculo mais visto presencialmente depois de futebol.
Vem isto a propósito, e com o iniciar de mais uma temporada, de uma notícia, recebida ontem à noite, da Empresa Tauroleve que dirige a praça de Toiros Palha Blanco em Vila Franca de Xira.
Esta Empresa e a Associação da Casa dos Forcados Amadores locais irão levar a efeito um Festival taurino, a realizar dia 28 de Fevereiro, com a particularidade de 50% da receita reverter para a Associação dos Amigos dos Animais de Vila Franca de Xira.
Poderá parecer contra procedente visto que algumas associações, ditas defensoras dos animais, se têm manifestado contra os espectáculos taurinos.
No entanto, essas, pouco fiáveis, associações não foram capazes de criar condições para apoiar, mesmo financeiramente, as reais e válidas entidades de carácter altruísta.
Com as anunciadas presenças dos toureiros Vítor Mendes e Nuno Casquinha, o cartel está ainda por completar. Este Festival solidário só vem provar que, afinal, quem gosta dos animais são quem, dizem os ditos defensores dos animais, os maltrata.
Vem mesmo a propósito o velho ditado “Vozes de burro não chegam ao Céu”.
Para provar quem gosta de animais são mesmo os aficionados, estes irão dar uma “bofetada de luva branca” enchendo as bancadas da centenária Palha Blanco com a abnegação que lhes é reconhecida.
Oxalá assim seja.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Coincidências

Quando há cerca de sete meses se soube do ingresso de Jorge Jesus no Sport Lisboa e Benfica, e com ele a imposição de um futebol fértil e as consequentes vitórias do clube da Luz, nunca iria pensar que este clube, um dos maiores do Mundo, se viesse a comparar com um dos maiores ícones da música pop internacional.

As alegrias que Jesus tem dado aos adeptos que enchem o estádio da Luz, faz com que, estes mesmos adeptos, andem esperançados no tão ansiado titulo, o qual será recebido com tanta alegria, como se de um filho se tratasse.

Pois bem… a conhecida cantora e actriz Madonna, de 51 anos, mãe de quatro filhos, dois biológicos e dois adoptados, quer de novo ser mãe de um filho do seu namorado, um modelo de 22 anos, que por coincidência se chama… Jesus Luz.
Chegados aqui, e com tanta coincidência, só falta saber até que ponto é que Madonna possa andar, tal como os benfiquistas, de esperanças, e possa dar à luz o filho de Jesus.

Agora tudo depende da “performance” de Jesus Luz, o namorado, esperando que seja tão “vitoriosa” como a de Jesus, o Jorge, no estádio da Luz.
Assim como os benfiquistas pedem ao Jorge: Jesus… dá-nos o Campeonato!
Com a enorme diferença de idades, estou mesmo a ver o pedido de Madonna a Jesus:

Oh Jesus, oh filho… dá-me um filho!

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Cabaço - A Saga continua


Encontrei-o a meio da tarde perto da minha casa. Trazia um saco a tiracolo. Sabendo da sua paixão, também por deformação profissional, logo presumi que fosse a máquina fotográfica.
Foram muitos anos, cerca de 40, a trabalhar num estúdio que pertencera a um tio. Com as dificuldades inerentes ao negócio, foi convidado a sair.
Agora, no desemprego, passa os dias a procurar dar sequência a um labor já iniciado há largos anos pelo falecido tio Zé.
As histórias também se contam com imagens. Um dia mais tarde, essas imagens terão voz.
Do seu tio, preservo fotos com mais de sessenta anos. Daqui a uns tantos, serão dele as fotos que transmitirão aos vindouros como era a vida neste tempo, e as figuras que marcaram a sociedade.
Seria bom que em todas as terras existisse esse historiador de foto e de memórias.
A sua terra e as suas gentes. O pequeno comércio, o alfaiate, o barbeiro, o sapateiro, o carpinteiro… várias actividades quase em extinção, ficarão retidas nas imagens agora capturadas.
Mas o Zé António Cabaço, para além de fotógrafo, foi, acima de tudo, um músico e pertenceu a vários grupos de baile.
Até isso, praticamente, deixou de existir. Os bailes onde se forjaram tantos namoricos e casamentos.
É dele que vos falo hoje. De um homem de várias paixões e apaixonado pela vida.
É que ele também abre a sua porta através da sua objectiva.
Para quem gosta de fotografia e de memórias, vale bem a pena visitá-lo.


http://olhares.aeiou.pt/por_do_sol_foto3392151.html

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Um Portugal "giro" num Mundo que gira


Para além da porta azul, a tal que está sempre aberta, vejo o Mundo.
E sinto quão difícil será estar em Haiti. A injustiça de tornar em miséria o que já era pobre. A dimensão da tragédia. A destruição total. O cheiro a morte, a dor, o sofrimento, a fome, a sede. A insegurança, a violência, a criminalidade. A luta da, e pela, sobrevivência. O esforço, a impotência e o desespero de quem tenta salvar e curar.
Por cá o Orçamento pisca-se à direita, com amores à distância, e retomam-se negociações para saber o que vai ser melhor para todos nós. E será que vai ser mesmo?
O Snr. Melo Duarte aos, quase, 74 anos, mostra-se disponível e “alegre” para uma nova candidatura à presidência da republica.
A Caixa Geral de Aposentações prevê que 22.500 funcionários públicos peçam a reforma este ano, um aumento de cerca de 6% face às aposentações verificadas no ano passado. O acréscimo a pagar, pelo Estado, será na ordem de 153 milhões de euros.
No pontapé na bola, o FCP do Sr. Ferreira marcou passo perante o Paços do mesmo apelido, o SC de Braga deu lição aos estudantes de Coimbra, o SCP aproveitou a leveza e a fome de golos do brasileiro “nacional-seleccionado” para mostrar que nem tudo o que é Nacional é bom e o SLB deu bailinho aos maritimistas da Madeira.
Uma última sugestão. Leiam boa poesia sendo, a de hoje, da autoria de José Carlos Ary dos Santos, falecido, faz hoje, 26 anos.






sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Entregar o Ouro ao bandido

Não passaram despercebidas as imagens, chocantes, de um assalto a uma ourivesaria em Almeirim com um ataque à martelada aos proprietários.
Foram amplamente divulgadas através de canais televisivos e até no youtube.
Ontem à tardinha, eram seis horas, metendo conversa com um ourives meu amigo, dizia-me ele, entre portas, que estava à espera “deles”.
-Deles? Perguntei…
-Sim, é a esta hora que eles costumam atacar.
E continuando, falou-me de várias situações acontecidas a colegas ourives por este nosso Ribatejo, e não só.
Chegámos a este estado.
Andar de coração nas mãos, porque nunca sabemos onde e quando nos possa acontecer algo idêntico.
Rouba-se e mata-se por tudo e por nada, ou como soe dizer-se, “por dá aquela palha”.
O estado caótico de insegurança que se vive no nosso País é alarmante.
Todavia, ninguém consegue por cobro a isto.
Ainda há quem diga que a divulgação dessas imagens servirá para promover o estado de insegurança.
O mais alarmante é o que a pobre justiça do nosso País faz com estes “selvagens”.

Depois de presos, se o forem, e presentes ao juiz, logo serão libertados por não haver indícios de crime.
É bom referir que um martelo não é uma “arma de assalto”.
Espero bem, e com o amor que tenho à minha terra e ao meu País, que com tanto assalto e sobressalto, não seja obrigado a dar o salto.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

A P (R)ONTE (M)




Ontem terça-feira.
Dique dos vinte entre Golegã e Chamusca.
Seis e meia da noite.
Uma fila de trânsito, estática, obrigava-me também a parar a minha viatura e, inclusive, a desligar o motor da mesma.
Ao longe viam-se as luzes de outros veículos, também eles parados, em cima da ponte.
Qual a razão? A de dois veículos pesados cruzando-se em simultâneo no meio da já centenária ponte.
A situação não é nova.
Mas, por ser reincidente, aqui vos trago a ocorrência.
Estive, sem exagero, uns sete ou oito minutos esperando a resolução.
Finalmente, e depois de muita tolerância, lá retomei a marcha, verificando que, em sentido contrário, muitos outros automobilistas teriam estado na mesma situação de espera.
Esta velhinha ponte foi recentemente submetida a obras de restauro.
Mas quem projectou alguns, ditos, melhoramentos não se lembrou que, ao meter as protecções laterais, iria dificultar de sobremaneira as passagens dos pesados, ao cruzarem-se.
Há muito que se fala na ligação da A13 com a A23 e, por conseguinte, de uma nova ponte.
Mas, tal, tarda em concretizar-se.
Até lá, e já que Portugal é, cada vez mais, um país de “bichas”, vamos tendo paciência, já que está muito em voga.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Laranja Amarga e Doce


A história com que abro a minha porta de hoje já tem uns dias. Não muitos. Talvez uns quatro dias.
A Juliana (nome fictício), uma jovem com idade de ser minha filha, simpática e afável, a meio da tarde confidenciava-me:
“Estava mesmo a apetecer-me uma laranja”.

Como ela é funcionária no guichet de uma estação de serviço, estação, essa, inserida no complexo de uma grande superfície comercial, logo me apressei, pretendendo ser simpático como é meu apanágio, a solicitar a uma empregada de balcão do bar, pagando eu o que fosse necessário, se poderia descascar uma laranja, uma apenas que fosse.

Resposta imediata que NÃO. Nem sequer um:
“Deixe-me ver o que posso fazer”, ou, ao menos, um: “Vou perguntar ao patrão se pode ser…”

Aquele rotundo NÃO, fez com que eu, e lembrando-me de uma oferta generosa do Amigo Horácio de um saco cheio, viesse a casa buscar não uma, mas duas laranjas e, descascadas, lá as fui entregar à moçoila que, com um ar de espanto, replicou ao rever-me:
“Não me diga que….”
Nem a deixei acabar a frase.
De acto imediato, esticando-lhe o braço, passei-lhe o pequeno “tupperware” para a mão.

Ela, corada, pelo acto surpresa, mas feliz pela oferta, deu meia volta e levou, qual oferta de Natal, a embalagem para o guichet.

Afinal, parece que não custa nada dar, mesmo quando não nos pedem.


segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Afinal... Sou um Heroi

A voz numa Rádio de Sete Cores


Convidado pelo meu Amigo Marco Domingos eis-me, diáriamente, a colaborar no seu programa "Café com Iris", na rádio Iris de Samora Correia. Crónicas do quotidiano. Hoje foi o primeiro, esperemos, de muitos dias de colaboração. Para quem não ouviu aqui vos deixo o "De Porta Aberta" desta segunda feira.


Neste primeiro bloco radiofónico “de porta aberta” não podia, nem devia, deixar de fazer alusão ao frio que se tem feito sentir.
Aliás, a Protecção Civil accionou alerta azul para zonas do Norte e Centro do País até ao meio-dia de hoje.

Ao melhor conselho de se vestir com o que de mais quente tiver no roupeiro, adiciono o “mata-bicho” do nosso Pessoa.
Ou seja, “absinta-se” mais quente.

Frio, esse, que não impediu que algumas dezenas despissem as calças e andassem, apenas e só, no metropolitano de pernas ao léu, no dia considerado do No Pants (Sem calças).
Ao menos uma actividade para fazer sorrir os, já de si, tão tristonhos portugas e que andam de “calças na mão”.


Mas já ontem à noite, mesmo com este frio, lá para os lados do Porto, uns tantos iam tomando um banho de um balde de água fria que, afinal, não aconteceu.
É bom não esquecer que o PdC prometeu o título ao Zé do Boné.




E se o disse (ele lá sabe porquê) melhor o fez, ou começou a fazer…
Como dizem os brazuquinhas, está na cara.
Nem que seja na de um tal Djuricic.
Não é, Elmano? Este não é sadino, e tão pouco Santo o será.
Foi pena, realmente, só porque um tal de Ronny não utilizou, por inépcia, o gelo necessário para gelar, ainda mais, o fogo no dragão.

Por falar em banho, ainda sou do tempo da panela com água aquecida na fogueira, nem ainda se falava em esquentadores, água essa depois utilizada no grande alguidar de zinco.

Os tempos são outros, tudo se modernizou, e mesmo a própria evolução traz os seus aspectos (e graus) negativos. É que as máquinas também avariam.
Vai daí, o meu querido e louvado esquentador lembrou-se, logo hoje, de avariar.

Uma coisa é certa, banho de água fria não irei eu tomar garantidamente.
Nem eu e muitos milhões de portugueses, mesmo com esquentadores avariados, enquanto vivermos à sombra do “Coelhinho”.
Este não é certamente o que ia com o Pai Natal ao circo, como dizia o anúncio da TV, nem estaria agora sujeito a sabotagens “Chen” (sem) escorregadelas de bancadas.



Reencontro marcado para amanhã à mesma hora e até lá aqueçam-se da melhor maneira possível.
Beijos e Abraços!

domingo, 10 de janeiro de 2010

Enquanto estava na representação da opereta "Campinos, Mulheres e Fado" no cine-teatro da Chamusca, jogava o "meu" SLBenfica em Vila do Conde. Privado que estava de ver o jogo, sempre ia ficando, entre quadro e quadro e uma ida fugaz aos camarins, a par do que se passava no rectângulo de jogo (Obrigado Paula e Alex). Ao saber do golo decisivo e vitorioso do Glorioso, tudo foi diferente em palco.
Para recordar aqui ficam as imagens do golo de "El Conejito" ou "Savigol".

sábado, 9 de janeiro de 2010

Confesso que não sou consumidor de cerveja.
Pelo menos aqui em Portugal.
Em Espanha, de vez em quando, lá bebo "una caña".
Já lá vai o tempo em que, na Semana da Ascensão, acompanhava a "malta da roda" com umas imperiais. Desisti! Nem sequer de garrafa. Prefiro um bom tinto!
A propósito, deixo-vos uma imagem de umas garrafinhas que, simpáticamente, alguns Amigos me ofertaram pelo Natal.
Entretanto, recebi um mail do meu Amigo Velez que ponho ao vosso dispor para poderem analisar um "discurso", no minimo, a meu ver, aberrante.
Estou convencido que, depois do que aconteceu ontem na "máquina de lavar", este rápidamente arranja "um marido"...


Afinal, fomos descobrir este "cromo" como pressuposto concorrente dos Idolos da SIC.
Não admira pois, este "discurso" que acima vos mostro. É que.....
Bem, o melhor é verem.